Ser Miss é ser assim...

" Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das ideias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes... tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostrem o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração.
Não me façam ser quem eu não sou.
Não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente.
Não sei amar pela metade.
Não sei viver de mentira.
Não sei voar de pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma para sempre."

Clarice Lispector

2.9.10

La bella polenta se mangia cosi...

Adoro polenta.
A história da polenta na minha família é muito presente. Lembro da minha avó paterna e da polenta que fazia. Naquela grande panela e mexia com um rolo enorme de madeira. Nossa, meu pai se deliciava com o prato acompanhado de frango caipira ao molho.
Minha preferência é a polenta com carne moída, não gosto muito de frango em molho, ainda mais o caipira. Então, quando casei, um belo dia liguei em casa e pedi que minha mãe me dissesse como poderia fazer esse prato. Foi muito engraçado porque meu pai chegou em casa e minha mãe disse que eu havia ligado e que ela tinha explicado a receita. Na hora, liga ele, pra explicar a receita dele...Sabe? Os dois discutem na cozinha...
Bem, entre uma e outra, acrescentei umas coisinhas e criei  a minha receita. Então vai lá...
Em uma panela coloco  2 xícaras de fubá e o dissolvo em 2 xícaras de água fria, ainda com o fogo desligado. Mexo enquanto deixo mais 2 xícaras de água fervendo em um canecão. Ligo o fogo do fubá e vou mexendo. Depois, quando a outra água já esquentou, coloco  tudo na panela e vou mexendo.
Deixo cozinhar por uns 20 minutos. Como gostamos da polenta mais molinha, deixo mais 1 xícara de água quente pronta e , aos poucos, acabo colocando tudo, durante esse tempo. Acrescento 1 colher de sopa de margarina, 1 caldo de carne dissolvido, 300g de mussarela picadas em cubinhos, sal, pimenta e 1 xícara de catupiry.
Após cozinhar por mais uns 20 minutos, ela está num ponto bom, porém depois não fica boa para fritar. Caso deseje fritá-la, é melhor deixar endurecer mais.

Para acompanhar costumo fazer um molho a bolonhesa, com carne moída, bastante tomate, azeitona e um pouco de milho verde. Fica dos Deuses...
Na verdade o ponto da polenta fui aprendendo com os experimentos, meu pai diz, brincando, que você coloca o fubá e vai pondo água, se ficar mole, põe fubá, se vai fincando duro põe água...se não couber mais numa única panela, divide em duas..e continua! Nunca precisei dividir em duas panelas..kkkk



Quando si mangia la bela polenta,
la bela polenta si mangia così,
si pianta così, la cresce così,
fiorisce così, si smissia così,
si taia così, si mangia così.
Bela polenta così.
Cia cia pum, cia cia pum,
Cia cia pum, cia cia pum
 Um pouco de cultura...
A polenta tal qual a conhecemos hoje, feita com farinha de milho, o fubá, só começou a ser preparada três ou quatro décadas após a descoberta da América no final do século XV. Cristóvão Colombo retornou de sua viagem trazendo sementes de vários produtos agrícolas, entre eles o milho, que passou a ser cultivado pelos espanhóis em Andaluzia e pelos italianos de Veneza. Este cereal – fácil de cultivar e de crescimento rápido - considerado como uma dádiva divina pelos Astecas, no México, pelos Maias, da América Central e pelos Incas da Colômbia, obteve sucesso imediato na Europa, matando a fome de várias gerações.
Comida da mamma – Na Itália, cada localidade tem a sua maneira própria de servir a polenta. Na região de Friuli, ela vem sob filés de linguado temperados com alho; no Veneto, faz dupla com pratos de bacalhau; na Lombardia, acompanha perdiz ou codorna no espeto e douradas na manteiga; na região central da Itália é servida com linguiça de porco e no Piemonte, sobre finas fatias de polenta coloca-se ovo frito em manteiga e lâminas de trufa branca. Em Cremona, cidade da Lombardia, a polenta recebe molhos preparados com hortelã e com escargots, misturados a uma porção de cogumelos secos.
No Brasil demorou um pouco até a polenta conquistar o paladar nacional e ganhar um lugar cativo nas mesas dos brasileiros. No início seu consumo esteve restrito ao Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, regiões do Sul que receberam o maior número de imigrantes do norte da Itália. No entanto, com o passar do tempo, a polenta foi incorporada aos hábitos nacionais, gerando inclusive um prato muito parecido com ela e que se tornou comida típica mineira, o angu, feito com farinha de milho finíssima e sem sal, servido como acompanhamento de vários pratos regionais.

Tente,é fácil e vale muito a pena!

2 comentários:

Karina Bottura disse...

Adoro polenta! Me lembra a infância... quando tinha a Antônia que trabalhava em casa... ela sabia que adorávamos...fazia sempre! Era a maior felicidade chegar em casa após a escola e ela mostrar o que tinha feito!! Saudades....

Thais disse...

Eu tambem amo polenta, com certeza uma das minhas comidas preferidas!!! Que delicia! Ficou linda a sua foto e deu muita agua na boca! bjocas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...