Ser Miss é ser assim...

" Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das ideias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes... tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostrem o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração.
Não me façam ser quem eu não sou.
Não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente.
Não sei amar pela metade.
Não sei viver de mentira.
Não sei voar de pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma para sempre."

Clarice Lispector

16.11.11

Burro de carga!


No tempo em que não havia automóveis, na cocheira de um famoso palácio real, um burro de carga curtia imensa amargura.
Reparando o pêlo maltratado, as fundas cicatrizes do lombo e a cabeça tristonha e humilde, aproximou-se formoso cavalo árabe detentor de muitos prêmios, e disse, orgulhoso:
-- Triste sina a que recebeu, hein amigo! Não invejas minha posição em corridas?
Sou acariciado por mãos de princesas e elogiado pela palavra dos reis!
Tá bom, disse outro cavalo inglês:
Como conseguirá um burro entender o brilho das apostas e o gosto da caça?
O infortunado animal recebia os sarcasmos, as brincadeiras e as gozações, indignado.
Outro soberbo cavalo entrou no assunto e comentou:
-- Há dez anos, quando me ausentei de pastagem vizinha, vi este miserável sofrendo rudemente nas mãos do bruto amansador. É tão covarde que não chegava a reagir, nem mesmo com um coice. Não nasceu senão para carga e pancadas. É vergonhoso ter que suportar a companhia.
Nisto, admirável jumento espanhol acercou-se do grupo, e acentuou sem piedade:
-- Lastimo reconhecer neste burro um parente próximo. É animal desonrado, fraco, inútil, não sabe viver senão sob pesadas disciplinas.
As observações não haviam terminado, quando o rei chegou ao local, em companhia do chefe das cavalariças.
-- Preciso de um animal para serviço de grande responsabilidade, informou o monarca, um animal dócil e educado, que mereça absoluta confiança.
O empregado perguntou:
-- Não prefere o árabe, Majestade?
-- Não, não - falou o soberano, é muito altivo e só serve para corridas em festejos oficiais sem maior importância.
-- Não quer o cavalo inglês?
-- De modo algum. É muito irrequieto e não vai além das extravagâncias da caça.
-- Não deseja o húngaro?
-- Não, não. É bravio, sem qualquer educação. É apenas um pastor de rebanho.
-- O jumento espanhol serviria? - insistiu o servidor atencioso.
-- De maneira nenhuma. É manhoso e não merece confiança.
Decorridos alguns instantes de silêncio, o soberano indagou:
-- Onde está meu burro de carga?
O chefe das cocheiras indicou-o, entre os demais.
O próprio rei puxou-o carinhosamente para fora, mandou ajaezá-lo com as armas resplandecentes de sua Casa e confiou-lhe o filho ainda criança, para longa viajem.
E ficou tranqüilo, sabendo que poderia colocar toda a sua confiança naquele animal...
Assim também acontece na vida.
Em todas as ocasiões, temos sempre grande número de amigos, de conhecidos e companheiros, mas somente nos prestam serviços de utilidade real aqueles que já aprenderam a servir, sem pensar em si mesmos.
Acrescentaria inda que todos temos nossa história, nossa cruz para carregar e cada um o faz com seu jeito... uns servem, outros são servidos... uns ajudam, outras são ajudados... uns fazem, outros mandam fazer... mas ainda penso, nos dias mais difíceis, que tudo tem um propósito!

2 comentários:

Karina Bottura disse...

Jú... passando para falar um OI!
Acesse http://melhor-davida.blogspot.com/2011/11/sorteio-no-blog-casa-da-sheila.html e participe do sorteio!!! Beijo e bom finalzinho de semana...

Ceu disse...

Juliana lindo post.
Bjs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...